Novo Honda Civic Si cupê será vendido no Brasil a partir de 2018

Com motor 1.5 turbo de 208 cv, câmbio manual e carroceria cupê de duas portas, modelo será importado do Canadá



Seis meses após sua apresentação oficial, a versão esportiva Si da décima geração do Honda Civic teve a importação confirmada para o Brasil. Fabricado no Canadá, o carro chega na carroceria cupê de duas portas (lá fora, também há o sedã de quatro portas).

A montadora diz que as vendas começam no início de 2018, mas os exemplares devem ser entregues só no final do 1º semestre, ainda sem preço divulgado.

Além das novidades estruturais e de carroceria da décima geração, lançada no ano passado, o novo Si traz como principal chamariz as alterações na mecânica. Trata-se do primeiro Civic Si com motor turbo desde o lançamento da versão – em 1984, na terceira geração do modelo.

Ponteira central e aerofólio são os destaques na traseira

Ponteira central e aerofólio são os destaques na traseira (divulgação/Honda)

Em vez de um motor 2.0 ou 2.4 aspirado com apetite por giros altos, como nas gerações anteriores, o Si agora dispõe de uma configuração mais avançada do mesmo motor que já equipa o Civic Touring no Brasil: um 1.5 i-VTEC de quatro cilindros com turbo e injeção direta.

Enquanto no Touring ele rende 173 cv e 22,4 mkgf, acoplado a um câmbio CVT, no Si ele chega a 208 cv a 5.700 rpm e 26,6 mkgf de torque entre 2.100 e 5.000 rpm, sempre com câmbio manual de seis marchas. Para efeito de comparação, o antigo 2.4 tinha 206 cv (7.000 rpm) e 23,9 mkgf (4.400 rpm) e o anterior a ele, que chegou a ser fabricado no Brasil, tinha 192 cv (7.800 rpm) e 19,2 mkgf (6.100 rpm).

Ou seja: o novo Si antinge picos de potência e torque em rotações mais baixas que os antecessores, alterando radicalmente uma das características mais marcantes dos esportivos da Honda, sempre considerados “giradores”.

Honda Civic Si

Suspensão do Si compartilha componentes com a versão ainda mais esportiva Type R (divulgação/Honda)

A Honda destaca outras evoluções no modelo, que está mais leve e rígido que o anterior. Tal como o Civic Touring, o Si tem sistema de direção com relação variável com dois pinhões, mas oferece rodas aro 18″ exclusivas com pneus 235/40 (o Touring usa 215/50 R17), para acomodar os discos de freio dianteiros de 12,3 polegadas. 

O Civic Si também ganha uma suspensão mais esportiva, com amortecedores adaptativos. As mudanças incluem molas mais rígidas e barras estabilizadoras também mais rígidas (30% a mais na frente e 60% atrás), buchas mais duras e braços superiores ultra-rígidos compartilhados com o Civic Type R – a versão esportiva ainda mais potente, com 320 cv e 40,7 mkgf.

Os amortecedores adaptativos, a direção com relação variável e o tempo de resposta do acelerador sofrem mudança de acordo com o seletor de modos de condução do modelo. O modo “Normal” é orientado para o conforto, enquanto o “Sport” deixa a dirigibilidade do Civic Si mais sensível e intensa.

Interior não economiza nos detalhes vermelhos

Interior do Si não economiza nos detalhes vermelhos (divulgação/Honda)

Por fora, o novo Honda Civic Si se difere dos demais pelo para-choque dianteiro com enormes tomadas de ar laterais (falsas) e pela grade pintada de preto (igual a do Civic Sport nacional). O para-choque traseiro também tem saídas de ar falsas, mas o que atrai olhares ali são a saída de escape central e o aerofólio.

A cabine recebe bancos esportivos revestidos de tecido e com o “Si” bordado em vermelho, além de costuras vermelhas no volante e na alavanca de câmbio, que tem pomo de alumínio. Ainda há apliques imitando fibra de carbono no painel e quadro de instrumentos com iluminação vermelha.

Bancos são um meio-termo entre os concha e os convencionais

Bancos são um meio-termo entre os concha e os convencionais (divulgação/Honda)

O pacote de equipamentos é equivalente às versões mais caras do Civic vendido nos EUA e inclui ar-condicionado dual-zone, bancos dianteiros aquecidos, sensor de chuva e central multimídia com tela de 7″ e compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto.

Menos potente que os rivais

Além de ser o primeiro Civic Si turbinado da história, o modelo atual foi questionado na Europa e nos EUA por ter menos potência e torque que os principais concorrentes: seu 1.5 turbo i-VTEC produz 208 cv e 26,6 mkgf, bem abaixo do Golf GTI (220 cv e 35,7 mkgf) e do Focus ST (255 cv e 36,7 mkgf).

A Honda já deu algumas justificativas para a decisão. Posicionado abaixo do Civic Type R nos mercados do hemisfério norte, o Si também é mais barato e mais leve que o Golf GTI e o Focus ST – e segundo os japoneses, mais versátil e confiável.

As críticas no geral têm sido elogiosas, mas sempre levando em conta que, lá fora, ele tem a característica de ser acessível.

Câmbio só manual, de seis marchas

Nada de CVT, automático ou automatizado: o câmbio é sempre manual, de seis marchas (divulgação/Honda)

No Brasil, com a escassez de concorrentes na mesma faixa de preço, seus rivais seriam o Golf GTI 2.0 (hoje tabelado em R$ 132.250) e, num patamar mais baixo, o DS 3 1.6 THP (R$ 92.900).

Com potência intermediária entre os dois, o Civic Si precisará ter preço igual ou abaixo do VW para ser competitivo – algo difícil de se conseguir, levando em conta que o carro será importado do Canadá, enquanto o Golf GTI é feito no Brasil.